domingo, 25 de setembro de 2016

SÓ NO CÚ POIS A BUCETA É DO MEU MARIDO!

Caxias - Ma, 25 de Setembro de 2016






































Olá pessoal. Não imaginava que voltaria a relatar tão brevemente neste site que sou viciado. Por mais que tentei evitar não teve jeito e acabei comendo minha cunhada novamente. Isso aconteceu no dia onze de março, num domingo. Eu e minha namorada demos uma passada na casa de sua irmã (Cristina) sem compromisso. Chegamos, entramos e colocamos a conversa em dia. Lógico que minha cunhada estava um pouco afastada de mim, com certeza com remorso com a foda que tivemos. Conforme o tempo que estávamos ali ela foi se soltando mais e puxou corriqueira conversa comigo. Seu marido pegou uma garrafa de vinho da geladeira e começamos a beber. O vinho além de delicioso estava bem gelado. Com o calor do vinho começamos a nos soltar mais. No meio da conversa o telefone toca e meu cunhado foi atender, era a patroa de Cristina precisando dela.

O sitio ficava longe e era complicado conseguir um ônibus aquela hora. Prontifiquei-me então a levá-la. Minha cunhada disse que não precisava mas com minha insistência ela acabou aceitando. Imaginei que Cristina levasse uma de suas filhas ou até mesmo minha namorada quisesse ir mas para minha alegria minha cunhadinha iria sozinha comigo.

Pegamos a estrada de terra e fomos a princípio em silêncio. Então iniciei um papo.

- Você está estranha comigo cunhada!

- Impressão sua está tudo bem!

- Foi por causa daquele dia em casa?

- Está dificil esquecer o que fiz com minha irmã!

- Não esquenta com isso Cris já passou!

- É mas ela é minha irmã e não merecia isso!

- Concordo mas acontece que nós dois estávamos com vontade! E mais, quem estava vendo os filmes pornô era você!

- Fiquei curiosa só isso!

- Você curiosa e eu excitado!

- Você foi atrevido em mostrar o pintão duro pra mim. Eu não sou de ferro né!

- E eu nem viado a ponto de ver você toda gostosa na minha frente sem tentar nada com você!

- Então você queria me comer?

- Claro! Estava louco pela sua bundinha!

- Safado!

No calor da conversa meu pau levantou a lona da bermuda. Minha cunhada fitou e comentou.

- Olha o cacetão duro de novo. Você é foda mesmo hein!

Perguntei se estava longe o que minha cunhada respondeu que faltava uns cinco quilômetros ainda. A estrada era deserta com pasto dos dois lados. Mais adiante tinha um taquaral com lugar ideal para parar o carro. Parei e Cristina indagou:

- Por que parou D.?

Sem demora tirei o pau da bermuda e mostrei pra ela.

- Olha como está cunhadinha.

- É realmente seu pauzão é gostoso mas é melhor irmos embora!

- Ah não! Vem dá uma chupadinha nele dá!

- Não, é melhor irmos embora!

Peguei na mão dela e levei no meu pau. Cristina segurou meio querendo soltar mas segurei na mão dela e comecei a movimentar até soltar e deixar por conta dela.

- Por favor cunhado não!

- Vêm chupa gostoso teu cunhado chupa!

Cristina então abaixou a cabeça e começou a mamar gostoso minha rola.

- Que boquinha gostosa cunhadinha aaaaaaaaaiii...delicia...

Ela mamava com vontade. E dizia:

- Ai D. sua rola me deixa faminta! Ai que cabeção gostoso...

Enquanto ela chupava passei a alizar sua bucetinha. E já indicando que estava na hora de fuder. Cristina então diz:

- D. NÃO!

- O que foi?

- Não posso dar pra você!

- Pô por que não?

- Gosto muito do meu marido e ele não merece ser corno!

- Essa não!

Cristina então completa:

- Vamos fazer um trato. A buceta é do meu marido e o cú é seu já que ele não come mesmo!

Fiquei feliz da vida com sua proposta afinal sou louco por um cuzinho mesmo. Com a minha aprovação minha cunhada ficou de quatro e abriu o bundão pra mim.

- Vêm D. coloca essa cacetão mas devagar. Aquele dia fiquei uns três dia com o cú ardendo!

Salivei o rabinho delicioso dela e a cabeça do meu pau e encostei na entradinha. Cris deu um suspiro forte esperando a enrrabada. Forcei a cabeça bem devagar.

- Ai D. vai bem devagar...uuuuuiii...ssssssssssssss...aaaaaaiiii...que gostoso cunhado.

A cabeça entrou e fiquei alguns segundo até o cú acostumar. Em seguida coloquei o resto do pau até o saco. Comecei a bombar lentamente até aumentar o movimento de vai e vem.

- Que delicia de cú cunhadinha, adoro seu rabo!

Plaft, plaft, plaft no rabão da minha cunhada. Já comi muito cú mas da minha cunhada era especial.

- Ai D. que delicia de pau. Isso come com vontade sua cunhadinha. Daqui pra frente esse cuzinho é seu, só seu!

Plaft, plaft, plaft, plaft...

- Não vou esquecer disso hein! Sempre que quiser vou comer sua bundinha!

- Pode deixar não precisa nem me lembrar pois estou adorando dar o cú pra você cunhadinho!

Enquanto enfiava a rola no cú dela seu bundão balançava no ritmo do vai e vem. Meu pau começou a dilatar dando sinal que o gozo se aproximava. Soquei com mais força e logo inundei o rabo da minha cunhada com muita porra.

- Isso cunhado enche meu cú de leitinho enche gostosão!

- Ai que bunda gostosa Cris!

A safada rebolava com meu pau entalado no cuzinho. Tirei o pau com jeito para não sujar o banco do carro. Assim que tirei a porra escorreu em sua perna. Peguei sua calcinha e limpei antes de cair no banco. Desta vez ela não reclamou de dor. Pelo jeito o cuzinho dela já era meu mesmo.

Nos recompomos sem antes Cris dar um beijo e uma chupadinha basica no cabeção antes de seguir o destino. No sítio ela foi ver o que sua patroa queria e voltamos logo com minha cunhada segurando no meu pau até alguns metros de sua casa. Tanto seu marido como minha namorada não perceberam nada.


E assim meus amigos leitores é a vida. Eu nunca imaginei que comeria uma cunhada minha. Lí tantos contos que envolve incesto, cunhada e mulher casada nunca imaginando se seria capaz de comer um dia. No fim o cuzinho da minha cunhada é meu sempre que quiser.


http://www.historia-erotica.com.br/

sábado, 24 de setembro de 2016

Ele botou o Pau duro bem no olho do cu.

Caxias - Ma, 24 de Setembro de 2016
























































Beto e tem 25 anos e pegou férias na faculdade, e nas férias sempre ia pra casa da avó no sitio, fazia muito tempo que não ia visita-la. E nessas férias ela insistiu que ele fosse, dai ele foi no fim do ano, chegando lá ela o recebeu com alegria, os primos já estavam casados. Mas estavam lá pra recebe-lo, botaram o papo em dia. Na infância brincavam ali no lago do sitio, os primos reunidos.
Seu primo disse que as meninas hoje estão casadas exceto a Nirene filha do caseiro. Ela ainda morava ali no terreno ao lado e fazia uns serviços pra sua avó.
No fim da tarde ele foi ao lago ver como estava. chegou de mansinho e viu que tinha uma pessoa lá, se aproximou sem fazer barulho pra ver quem era. E viu que era uma morena dos cabelos longos na beira do lago deitada de bruços sobre uma pedra, ela usava um vestido que deixava aparecer as popas da bunda. ele ficou olhando aquelas ancas por um tempo, ate ela se levantar e tirar o vestido e ficar só de calcinha branca enterrada no cuzao. sem sutiã os peitos pra fora, ele ficou de olho ate a hora em que ela saiu da agua vestiu-se e foi embora. Depois ele foi embora, mas ficou com aquele imagem na cabeça.
No dia seguinte ele esperou a tarde caiu e foi ao lago de novo. só pra ver se a morena estava lá tomando banho. e ela estava lá. deitada de bruços só de calcinha. e tirava a calcinha da regada do rabo. ele ficou ali observando ate a hora que ela se levantou e entrou na agua deu um mergulho antes de ir embora.
No dia seguinte na casa de sua avó chegou uma morena que era a mesma que ele viu no lago. Sua avó disse que ela era a filha do caseiro, ele não acreditou, pois ele lembrava dela vagamente, ela era gordinha quando mais nova. Ela se mostrou bem simpática, e veio cumprimenta-lo, ai começaram a conversar. ela puxou assunto.
Ela_ você chegou aqui ontem e eu nem te vi.
Ai a velha falou ele deu uma saidinha a tarde lá por perto do lago umas 2 tardes ai. Nessa hora ela ficou pensativa. E disse_ estranho é que não lhe vi. nesse dois dias.
A vó de Beto pediu pra ele ir buscar goiabas pra fazer suco. E ele foi com Nirene ate as goiabeiras. E no meio do caminho eles foram conversando.
E ela disse você tem namorada por lá? ele disse que não,
Ela disse não quis se casar que nem seus primos?
Ele disse que não, ainda estava procurando.
Quando ela ouviu isso ela disse_ acho que não será difícil pra você.
Ele_ e você não tem namorado?
Ela _ não apareceu ninguém, eu também não sou bonita, que nem suas primas, os meninos não estavam nem ai pra mim?
Ele_ azar o deles.
Ela ficou olhando pra ele de um jeito diferente. e pediu pra ela segurar a escada pra ela subir e disse não olhe pra cima, ela usava vestido um tanto curto. Quando ela chegou no topo ele olhava aquele rabo. mas ela fazia de proposito. Ela olhava pra baixo e via ele olhando, pra debaixo da saia. Ela dava risada. Ela botava a mão tampando. Ate que desceu.
Ela_ você estava olhando minha calcinha ne?
Ele_ não deu pra resistir
Ela disse posso fazer uma pergunta?
Ele confirmou
E ela perguntou se ele tinha ido ao lago ele disse que sim,
Ela_ você me viu?
Ele confirmou de novo.
Ela_ o que você viu? fala a verdade.
Ele disse que viu ela deitada só de calcinha depois entrou na agua.
Ela ficou meio envergonhada, sem acreditar ai ela disse qual era a cor da calcinha ai ele falou.
Ela perguntou se ele falou pra alguém ele disse que não. ela disse não conte é segredo. Não fale a sua avó. Se não ela vai reclamar pra meu pai. Ele perguntou se ela sempre tomava banho assim ela disse na maioria das vezes sim mas agora nos da você vai ficar me olhando. ela falou tudo isso rindo. Mas ela ficou pensando naquilo, e em um tarde ela desceu pra o lago e fez questão de fazer ele ver ela passar, e beto viu de longe ela passar. e seguiu e ficou só assistindo, intocado. Ela chegou na beira do lago levantou e tirou o vestido ficou só de calcinha e entrou na agua. Beto contemplou aquele rabo moreno. Ela sabia que ele olhava e começava a passava a mão pelo corpo. Se acariciando, depois saiu da agua bem devagar vestiu a roupa e saiu.
No outro dia ela fez a mesma coisa. e ele foi atrás, procurou um bom lugar pra ficar olhando. ela começou a tirar o vestido, ficou só de calcinha e entrou na agua e ficava passando sabonete no corpo. Ainda dentro da agua ela tirou a calcinha e jogou na beirada. Depois saiu da agua mostrando o buceta que era um pouco cabeluda. pegou suas roupas e se vestiu e saiu.
No outro dia ele estava nas goiabeiras, e ela chegou pra pegar goiaba. Ela disse me ajuda a pegar goiaba, segure a escada pra mim? ela subiu e ele ficou segurando e já olhando pra bunda dela. pois o pano do vestido era fino. Chegava a entrar na bunda prestando atenção ele via a calcinha através do pano. Quando ela veio descendo. Foi rolando nele. Ela ficou olhando pra trás. e forcando a bunda contra ele. Beto segurou na escada e enconchou ela. sentindo aquele rabo firme. E falou no ouvido dela, você vai hoje no lago ela disse que sim. ele disse ótimo. Ela perguntou se ele gostou de ontem, lelé disse que sim. ela disse_ hoje vai ter de novo. ai saíram dali e voltaram.
Quando foi mais tarde ela foi ao lago ele já esperava escondido ela baixou o vestido e estava com um maiô que deixava suas costas amostra e que desenhava sua buceta, atrás era enterrado no rabo. Ela entrou na agua. Ele apareceu de fininho. Quando ela olhou pra trás viu ele olhando pra bunda dela.
Disse_ dessa vez quis aparecer?
Ele se sentou na beira da agua, e ficou admirando suas coxas, o quão gostosa ela estava. ela perguntou se ele não queria entrar na agua e sem pensar 2 vezes ele ficou só de cueca e entrou na agua vendo ela mais de perto. Nadando em volta dele. com aquela bunda pra cima.
Ai ela começou a passar sabonete nos braços depois nas coxas, virou de costas e começou a passar na bunda. ela viu que ele a olhava sem nem piscar o olho. ela disse_ passa aqui nas minhas costas.
Ele começou a passar, ela disse passe em tudo e pegou a mão dele e desceu pelas coxas dela. ele foi pra o rabo dela, sentindo sua maciez, suas coxas. ele encoxou ela por trás e foi passando sabonete nas pernas dela. e falando em seu ouvido, que bunda enorme você tem, que pernas em…
Ele foi beijando o pescoço dela. e encostado naquele rabo o pau dele logo começa a ficar duro. eles ficaram atrás de uma canoa pra ficar mais escondidos caso alguém aparecesse. Ela sentindo o mastro engrossar na cueca dele, quando ele encaixa nela. ela fica mechendo a bunda sentindo a vara. ele fecha seus braços em volta da cintura dela e a beijando.
Ela_ você é safado beto.
Ele não dizia nada e só dava umas bombadas nela sentindo aquele rabo. depois de roçar assim por um tempo mudaram de posição ela se virou pra ele. Ele desceu suas mãos para o rabão dela e ficou acariciando. Ele pegou nas coxas dela e trouxe botando em volta de sua cintura. Ela já foi encaixando no abraço. Ele chupava na língua sentindo aqueles lábios grossos e pegava no rabão. Sentindo as coxas o prendendo pela cintura, era a pose perfeita. Ele desceu a mão pelo rego da bunda dela ate chegar no meio da coxas sentindo a maciez de sua buneta morena.
Ela tirava a mão dele da buceta dela. mas não para de beija-lo, e ele botava a mão de novo sentindo a xota dela através do tecido do maiô.
Ela_ tira a mão dai.
Beto já estava doido pra meter nela, quando ele desceu beijando o pescoço dela ate o meio dos peitos ela disse vamo voltar Porque estava ficando escuro demais, ai saíram da agua Quando se vestiam ela viu o volume na cueca, a rola desenhada na cueca que ainda não estava totalmente dura. deu uma olhada disfarçando. E se vestiram e voltaram. E se despediram com um beijo.
Ele passou o dia todo pensando nela. e quando chegou a tarde ele estava capinando no quintal, quando ela passou descendo pra o lago. Ele esperou ela ir na frente e logo depois foi. Quando chegou ela estava esperando ele, que agarrou ela por trás em um abraço bem colado. Ela disse_ espera, senta.
Ele sentou sobre uma pedra na beira da agua e ela virou de costas pra ele e começou a tirar a roupa, baixando o vestido ficando só de calcinha e sutiã. Entrou na agua e quando mergulhava dava pra ver sua buceta escondida entre suas coxas morenas. Ele tirou a roupa e ficou só de cueca, ela disse traga o sabonete. O qual ela já deixava ali. Ele pegou e entrou na agua. eles não estavam na parte funda a agua estava um pouco acima dos joelhos. Ela pegou o sabonete da mão dele e começou a passar em seu corpo, ensaboando tudo. a espuma se formou nas curvas de seu corpo e escorria entre os peitos as coxas. ela virou de costas e apalpava a bundona espalhando o sabonete. Ele chegou mais perto e segurou na cintura dela e foi deslizando a mão pelas suas coxas. abraçando ela por trás. quando ele encostou ela já sentiu o mastro grosso. E disse_ você já esta assim, e olha que eu nem tirei tudo
Beto_ então tira.
Ela não disse nada apenas deixava ele roçar e pica nela do jeito que estavam abraçados. Ela se soltou dele e foi pra o lado da canoa onde tinha as pedras onde ela apoiou a mão e levantou devagar mostrando o cuzao, ele se aproximou e botou as mãos na cintura dela e começou a acariciar. encoxou ela por trás com força. Dizendo assim você me deixa mais duro. e ela disse estou sentindo. Ele segurou bem nos quarto dela e dava umas bombadas esfregando-se nele. Ele se abaixou deixando sua cabeça na altura de do rabão dela. segurou nas nadegas dela acariciando e abrindo a bunda dela. ela apoiava a mão nas pedra altas da beirada.
Quando ele abriu aquele rabão separando as nadegas dela deu pra ver aquela buceta entocada e gordinha. Ele ficou olhando estático, depois começou a beijar o rabo de metendo sua cara entre as nedegas dela. ela sentia a língua dele. seu rosto quente. Depois afogar a cara naquele rabo gostoso. Ele pediu pra ela de frente pra ele mostrando a xota ela disse que tinha vergonha.
Ele por trás dela levantou e botou a rola pra fora dura que nem pedra e abraçou ela por trás ela sentiu a dureza do mastro no rego dela. ele abriu a bunda dela e botou a rola dentro afogada entre suas nadegas. Rola de beto não era grossa mais era grande. ela sentia a cabeça da rola encostar no buraco do cu. ele começou adar umas roladas. dava uma parada pra ajeitar ela se apoiava nas pedras, ele pediu pra ela empinar mais a bunda e abrir um pouco mais as pernas, e segurou firme em suas ancas e bombava no rabão dela. ela sentia a cabeça da rola forcando a entrada. mas beto queria que a pica entrasse mais e passou sabonte na cabeça da rola pra lubrificar mais. E pediu pra ela abrir a bunda. quando ela separou as nedegas ele botou a pica bem no olho do cu. e disse pronto pode deixar segurou nas ancas dela e começou a bombar. A pica deslizou gostoso pra dentro. ela sentiu a cabeça entrar toda. ele bombava no cuzao acariciando as coxas dela, e falando ao ouvido dela como estava gostoso aquele rabo. ate que ele gozou dentro dela. ela sentiu ele gozar. Beto não tirou a rola do cu dela e ficou encaixado nela, apalpando seus peitos, ele desceu a mão pela barriga dela ate chegar na buceta. e ficou alisando e disse_ deixa eu chupar. ai ela se virou de frente pra ele. Beto se baixou ficando com a cabeça na altura da buceta, e deu uma lambida que ela recuou. Ele segurou no rabão dela e puxava ela e metia língua de novo. e disse_ é bom ir deitado.
Ela disse_ mas aonde?
Ele olhou em volta e viu a cazinha da bomba de agua e fora pra lá. o piso era de madeira e suspenso. Dava pra eles deitarem, ele botou as roupas pra ela deita por cima. ela deitou por cima dela e foi beijando sua boca e descendo por seus peitos indo pra barriga. Acariciou a testa da buceta. deu uns beijos. Ela fechava os olhos sentindo a boca dele suga-lá. ela disse que nuca tinha feito isso. Beto não acreditou. E pediu pra ver.
Ela abriu as pernas mostrando sua racha dando língua e abriu a buceta, revelando seu hímen vermelho com um furinho minúsculo. Beto aproximou o rosto pra ver de perto. Passou a língua levemente sentindo seu sabor, ele beijou e lambeu bem devagar aquela flor. Quando ela já estava soltando seus necta. Em sua boca ele já sentia aquela gosminha.
Depois ele se posicionou entre aquelas coxas enormes. e ficou passando a cabeça da rola pincelando, com cuidado, botou a rola na entrada da xota separando um pouco os grandes lábios. Inclinou-se um pouco sobre ela. e levemente empurrou a rola. a primeira vez e sentiu sua resistência. O hímen segurando. Ela sentiu a cabeça forçar e um leve incomodo. Ai ele relaxou e meteu de novo. ela segurou em seus braços. Dessa vez ele forçou mais, ai ela sentiu a rola começar a rasgar o hímen. Ele recuou um pouco e continuou forçando, a cabeça foi entrando. ela fez uma cara de dor. e ele relaxou de novo. e perguntou se estava entrando ela disse que estava quase. Ai ele forçou de novo. e botou um pouquinho de força, a cabeça entrou ai ela suspirou baixinho com uma cara de dor. e disse_ agora entrou.
Beto empurrou toda nela bem devagar. e ficou encaixado sentindo o calor de sua buceta apertada. Ela disse vá devagar. beto começou a meter devagar com roladas curtas pra ela acostumar. Beto se ergueu um pouco pra ver como estava e viu o sangue que saia da buceta dela. ele continuou bombando nela a beijando e apalpando sua coxas.

Ele pediu pra mudar de posição e ela sentar na pica, quando ele tirou a pica ela viu a rola melada de sangue e nas tabuas onde estavam deitados. Passou agua na buceta pra limpar, depois beto deitou e ela veio por cima. ele segurou nas ancas dela e ela desceu a buceta em na rola. com a pica enterrada nela, ela começou o sobe e desce. Ele segurou no rabão dela que subia e descia e contraia. O priquito apertado. Ela sentia a vara preencher sua buceta quando ela descia. Ele pediu pra ela ficar parada, pra ele meter. Segurando no cuzao dela e tornou a bombar nela devagar sentindo bem toda a buceta. naquela pose ele meteu ate gozar. ela sentiu as mãos dele apertar a bunda dela. e em sua buceta ela sentiu o liquido quente. Meteu ate sair a ultima gota de gala. Quando puxou a rola. a buceta deixou escorrer o esperma. Ele meteu de novo deu uma roladas e ficaram deitados ali, ele acariciava a buceta dela. depois deram um jeito e limparam aquele sangue ali na tabua do chão. Por sorte ela não engravidou.

http://www.contoerotico.com.br/